domingo, 12 de novembro de 2017

meu 2017.

eu poderia dizer que são os seus cabelos. o jeito como eles enrolam da raiz às pontas e dão o formato exato pro seu rosto marcante. ou então a cor dos seus olhos, e como os cílios intensificam o castanho claro que brilha toda vez que você pisca.

eu poderia ainda dizer que são os seus lábios somados à sua barba bagunçada que arruma o restante do rosto. ou suas grandes mãos, que oscilam entre força e delicadeza, e me conquistam a cada toque.

tem também suas costas, pernas, pés, nádegas e pênis.
poderia ser seu corpo inteiro, entende?

e não é.

são seus olhares. cada vez que você me olha externando esperança, sonhos, expectativas e um bocado da sua alma.
são suas palavras. o jeito como você externa com amor e vivacidade todas as suas histórias e seus conhecimentos.
são os carinhos. e eles você me dá não só com toques, mas com presença. perto. longe.
suas franquezas e fraquezas. seu cheiro.
e a fortaleza que é, sem nem fazer ideia disso.

é seu amor. por tudo o que acredita, mesmo que o mundo duvide.

é João.

eu sei que a gente precisa saber exatamente a hora de deixar o sentimento ir embora.
a vida me fez aprender que dificilmente amar te dá o direito de ser amado.

mas é impossível deixar ir sem te dizer o motivo.
esse mesmo que nem eu entendia. esse mesmo que relutei tanto pra deixar entrar.

tampouco é possível deixar ir sem que você saiba.
que a gente ama sempre num formato diferente, e que possivelmente até hoje você foi meu formato mais bonito. daqueles que dói por ter que ir, e não pela guerra de ficar.

obrigada por selar a paz em um coração cheio de marcas de dinamite.
você foi minha cura.

eu amo você.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

associação livre.12.

e ele chega com cautela, ao mesmo tempo em que demonstra tanta voracidade. 
com olhares e sorrisos tímidos, como se estivesse o tempo inteiro sendo avaliado, se coloca com intensidade nos toques, beijos, lambidas, mordidas. 
ele sabe ser discreto, mas não se esquiva quando solicitado a se expor. 
sabe o momento certo de dizer aquilo que carrega como verdade. 
e encontra o momento exato de demonstrar os afetos que pulsam. no peito. nas calças. nos sonhos. 

e sem esperar absolutamente nada, invade aquele que bate com demasiada intensidade dentro do meu corpo, ocupa um pedaço e finca a bandeira. 


e eu, que sou sempre tão armada, sem dizer nada, despejo pelos olhos o desejo de quem não precisa falar: fica.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

prazer, J.

"29 anos. quantos deles foram só pra ele?", eu pensei.

te conheci não faz nem um mês.
eu e a minha mania de me inspirar em encontros recentes ou longos demais.
é que as pessoas me causam curiosidade, entende?

e você causou.
você tem aproximadamente 1,90 m e seu rosto faz todo sentido pro resto do corpo. o que eu gosto nas pessoas são os traços, e os seus são fortes assim como a sua história e a sua alma.
você se diz tão frágil e eu já te vejo tão enorme e inquebrável.
sua delicadeza é seu escudo. aquele que te protege do mundo e ao mesmo tempo defende todo ele. sua confusão é esclarecida e só você não percebe.
você sabe exatamente o que dizer e quando agir. e quando age com as palavras, são elas que abraçam.

te vejo grande o tempo inteiro. e se eu pudesse, te emprestaria meus olhos embaçados, mas que já te enxergam tanto. e você conseguiria ver o Universo que vejo dentro de cada ponto e vírgula que você digita.

não sei se são os óculos, o olhar tímido, as palavras arrebatadoras... e não importa.
você clareia por onde passa com poesia e prosa. ao mesmo tempo que acredita ser escuridão.
se perde na insegurança mais pura de qualquer adulto que eu já tenha conhecido. e faz os outros se assegurarem das mesmas potencialidades que você tem.

a sua essência é linda.
e grita.
e te assusta.
e cativa.

e EMOCIONA.

você é todos os sentidos em um corpo só.
e é por isso que no amor e sexo você não consegue ser menos que J.

te enxergo lindo, imperfeito, humano.
e anseio sua ausência de medo pela vida.

"é... 29 anos vividos pra ele", concluí.
- ele só precisa de uma oft-alma.

(voltei a escrever.
                      obrigada.)

terça-feira, 16 de junho de 2015

eu te amo desde o dia em que te vi, mesmo não sabendo que já era amor.
e desde então, continuo te amando, depois do primeiro beijo, e do primeiro riso, e do primeiro pedido, e do primeiro vinho, e da primeira transa, e da primeira briga, e da primeira reconciliação, e dos tantos outros primeiros que vieram. e ainda vêm.

eu te amo triste, feliz, irritado, em êxtase.
e te amo criança, adolescente, adulto e velho.

eu te amo quando acordo, mesmo quando o dia está tão frio e eu estou tão exausta e mal humorada. mas é quando eu abro os olhos que lembro que te amo. e então tudo passa a fazer sentido.
eu te amo enquanto me troco, me maqueio, corro pro ponto de ônibus, atravesso as ruas, ouço música, ando a pé, dirijo, trabalho e converso.
também te amo enquanto sonho. e se não lembro, imagino que sonhei com esse amor.

eu te amo quando resolvo te odiar durante alguns segundos. só porque você me fez ter a absoluta certeza que nem o ódio desconstrói tudo isso que criamos.

eu te amo enquanto enxergo as pessoas. quando não enxergo letras. quando penso e quando resolvo não pensar.

eu te amo no meu passado, e te venero no meu presente. te projeto no meu futuro.

eu te amo, você crendo ou não.
querendo ou não.

sou sua. e te roubei pra mim.

domingo, 24 de maio de 2015

associação.livre.11

Eu luto pra não te querer. Mas, quanto mais luto, mais quero.
Nossas diferenças constantemente nos sabotam, e é disso que vivo tendo medo.

Eu só queria ter uma bola de cristal pra ter absoluta certeza de que somos pra sempre. Pra que esse medo de sofrer vá embora de uma vez. Inclusive o seu.

Eu sinto a sua falta todos os dias, e quando penso em você minhas lágrimas escorrem compulsivamente, como se precisassem esvaziar minha alma dessa angústia que me cerca todos os dias.
Como se precisassem transbordar esse medo que eu sinto de te perder pra sempre. Mesmo tendo escolhido a distância. Sem nem ao certo saber por que.

Eu oscilo entre.a certeza do meu amor, e o medo do não.

Tenho me sentido uma menina de 15 anos, amando pela primeira vez. E tem doído.

E agora, eu só queria você aqui do meu lado, me abraçando forte, e dizendo que vai ficar.

terça-feira, 19 de maio de 2015

associação.livre.10

eu vejo cores em tudo o que é preto e branco.
do que é passado, me permito sentir um presente.
é como se, mesmo não fazendo o menor sentido, tudo se encaixasse.

se.

a angústia de uma antecipação infindável. nada parece finito, mesmo caminhando por pontos finais.
diariamente, uma respiração ofegante exatamente às três e meia das tardes. todas elas. e se estendem, novamente infinitas.
a pausa dos meus sonhos, como morte súbita.
ressuscitam às oito horas. sempre constantes, repletas de saudade.

por que pareço tão vazia?

e meus olhos mais uma vez, cheio de lágrimas.
transbordo poucos sorrisos.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

sinto sua falta.
        enquanto respiro.